(31) 3281-9605

Meu Carrinho

0 item(ns) - R$0,00
Você ainda não adicionou produtos.

Comissão de Jornada

JORNADA XXII DO ALEPH - ESCOLA DE PSICANÁLISE

“Por que a Psicanálise?”

10 e 11 e novembro de 2017

Desde já enfatizo que ela [a psicanálise]
não é fruto da especulação, mas da experiência,
e, portanto, é inacabada enquanto teoria.

 Freud. Princípios básicos da psicanálise (1913).

 

Aleph - Escola de Psicanálise, em 2017, terá como tema de trabalho em sua XXII Jornada “Por que a Psicanálise?”, a exemplo da instigante indagação de Freud em sua correspondência com Einstein Por que a guerra? (1932-1933). Esse escrito nos coloca frente às questões do “real” marcando algo do “impossível” e do que “não cessa de não se escrever”.

A questão “Por que a Psicanálise?”, em seu cerne, se apoia nesse escrito freudiano, sempre atual e preciso, nos causando um contínuo trabalho.

Propomos pensar as questões atuais a partir da psicanálise no mundo. Uma posição psicanalítica em relação ao discurso capitalista, à política, à medicina, à sociedade de consumo, às questões de gênero, à arte, à justiça, etc.

Assim como Freud e Lacan, é importante não nos iludirmos na crença de uma resposta totalizante.

“Por que a Psicanálise?”. Essa indagação também clama pelo analista e confirma que a experiência analítica não é normativa, o que implica escapar da repetição infinita do que teoricamente já se sabe.

Lacan (1969) afirma que o analista deve muitas vezes se defrontar corajosamente com o cul-de-sac (beco sem saída), deixar a nu as dificuldades, as impossibilidades que enfrenta em sua prática, as quais não tenta vestir com as roupas prêt-à-porter de uma solução teórica mais fácil.

Freud e Lacan não recuaram ante o real; o real escreve a experiência analítica que se fundamenta sobre a inscrição de um impossível. Nessa dimensão, a psicanálise como experiência de discurso visa levar o sujeito à ética do desejo.

“Por que a Psicanálise?”. Essa questão nos coloca ante a psicanálise em intensão e em extensão. Convidamos os analistas e não analistas ao trabalho.

 

COMISSÃO DA XXII JORNADA
João Carlos Martins
Heloisa Godoy (coordenação)
Luciana Schmidt Amaral
Maria Inez Figueiredo
Milton Ribeiro
Regina Macêna (coordenação)
Vanda Pignataro Pereira